FORMULAUNZITE – 02/08/2002

Fui ao médico hoje. Desde a semana passada sinto uma incômoda dor de estômago que suspeito ter sido causada por uma única taça de vinho da Alsácia. Como é sabido, a região, fronteira entre França e Alemanha, foi alvo de disputas seculares resolvidas apenas depois da Primeira Guerra. Pelo Tratado de Versalhes, a Alemanha teve de retirar todas suas tropas da região do Reno e devolver a Alsácia e a Lorena à França.

Isso fez com que, embora franceses, os cidadãos da Alsácia se pareçam muito mais com alemães. As cidades têm nomes alemães, as meninas são todas loirinhas e a arquitetura é tipicamente alemã. E o vinho também. Eu estava em Colmar, perto de Estrasburgo, cidade que se arvora o título de “capital dos vinhos da Alsácia”, quando experimentei a indigitada taça. Vinho alemão em geral é ruim.
Portanto, vinho francês feito por descendentes de alemães também há de ser.

E era, e daí minha persistente dor de estômago, acreditei na hora, o que me levou hoje ao Carlão. Liguei para a clínica de gastro alguma coisa e pedi para falar com o Carlão, o que causou enorme espanto na secretária. Jamais alguém tinha chamado o Professor Doutor Carlos Domene de Carlão. É justo. Não é lá muito polido se dirigir a um médico de porte dessa maneira grosseira, mas lamento, o
Carlão é meu amigo há anos e eu nunca o chamei de Doutor Carlão.

Desfeito o mal-entendido, fui à clínica. Ambiente raro para mim, que apesar de desprezar todo e qualquer conselho das revistas para manter uma saúde apropriada nunca tive problema médico nenhum, exceção feita a um estiramento na batata da perna no ano passado que me deixou um mês de muletas e a uma operação de amígdalas quando tinha dois ou três anos de idade.

Bem, já tenho 38, e essa foi a explicação do Carlão: já está na hora de ter alguma coisa, ainda mais eu, que devoro hambúrgueres, tomo refrigerante, adoro caipirinha, às vezes esqueço de almoçar, tomo vinho da Alsácia, essas coisas.

Não pretendo entrar em detalhes sobre meu estado terminal, não é esse o motivo pelo qual escrevo. Quero chegar logo ao diagnóstico, que tampouco foi conclusivo, o Carlão acha que tenho uma “ite” qualquer (gastrite, esofagite, pescocite, artrite, fariginte, não guardei o nome direito), mas só saberemos depois de uma endoscopia na semana que vem. O vinho, disse o Carlão, não tem nada a ver com minha dor de estômago.

Na minha visão dos fatos, descartado o vinho, o diagnóstico mais provável passou a ser “formulaunzite”, uma inflamação na minha apreciação pelo esporte que neste ano vem batendo recordes de estupidez, começando pela marmelada de Zeltweg, passando pela vergonha da Arrows em Magny-Cours, chegando à ordem absurda da Sauber para Felipe Massa em Hockenheim.

Essas coisas me embrulharam o estômago, daí que nada mais normal do que uma dor no estômago. Farei a endoscopia. Vai dar formulaunzite, com certeza. Espero que haja medicamento para isso. Se possível genérico, que é mais barato.

Advertisements

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out /  Change )

Google photo

You are commenting using your Google account. Log Out /  Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out /  Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out /  Change )

Connecting to %s