MENOS, MENOS… – 14/12/2006

Pensei em escrever sobre a decisão da Stock, hoje. Afinal, é o assunto da semana. Mas é mesmo? Tenho meus termômetros. O segurança do prédio, os caras que encontro no bar, os amigos que telefonam, o dono do café na galeria… De domingo até o momento em que tamborilo estas linhas, só uma pessoa veio falar comigo sobre a Stock. Para perguntar quando ia acabar o campeonato – que já tinha acabado. Minto, duas: meu pai me perguntou se Popó era irmão de Cacá.

Quando Schumacher ganhou a tartaruguinha do pessoal do “Pânico”, quase tive de contratar um assessor de imprensa, já que era eu a comandar o evento. A vitória de Massa três dias depois também rendeu intermináveis interrogatórios de conhecidos e nem tanto. Ele pode ser campeão? Vai ser melhor que o Rubinho? É o novo Senna? E tem sido assim nos últimos anos, todo mundo querendo saber alguma coisa quando Barrichello foi para a Ferrari, quando da marmelada na Áustria, quando dos títulos do alemão, quando da ascensão de Alonso, quando Rubens foi para a Honda, quando Michael anunciou a aposentadoria.

Fórmula 1, em que pese a opinião daqueles que acham que é chata e perdeu a graça, é assunto. A Stock, que me perdoem aqueles que se esforçam para elevá-la a paixão nacional, não é. Cacá pode até ser, porque é filho do Galvão. Mas dele se fala como de um parente distante. E normalmente para esculhambá-lo, sem saber se é bom piloto ou não, sem saber sequer o que ele pilota.

Larguem Hoover Orsi, Giuliano Losacco, Rodrigo Sperafico e Felipe Maluhy no meio da avenida Paulista, e ninguém vai reconhecê-los. É possível que mesmo nos autódromos, se não estiverem uniformizados, passem despercebidos. O público da Stock, em sua imensa maioria, é formado por convidados dos patrocinadores, não por seguidores do automobilismo.

Sim, a Stock é legal. Mas é menos, muito menos do que ela imagina. Compreender isso é o primeiro passo para melhorar e crescer. Mas partir do princípio de que é uma das maiores categorias do mundo e se deixar enganar pelo ilusionismo global pode levá-la de volta ao ostracismo.

Advertisements

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out /  Change )

Google photo

You are commenting using your Google account. Log Out /  Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out /  Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out /  Change )

Connecting to %s